Arquivo mensal: maio 2011

Se Você é o dono do negócio o cliente é o que?

Me deparei com essa frase no livro “Superdicas para empreender seu próprio negócio” de Ruy Leal, e refletindo sobre ela vejo o quanto é verdadeira, afinal de contas muitos empreendedores se vêem como os únicos donos de seu negócio, ok, foi você que planejou, criou e distribui o produto, é você que paga as contas e tudo mais, porém, para fazer tudo isso, depende-se exclusivamente do cliente.

Toda empresa de sucesso (startup ou não), soube valorizar seus clientes, e entregar não produtos mas valores que fazem a diferença na vida deles.

Vejamos por exemplo os produtos da Apple, quando se há um lançamento de alguma novidade, o frisson é grande, em determinados países, vemos pessoas ficarem em filas durante horas para comprar seu iphone, ipod ou Ipad, a Apple é um caso onde o dono do negócio não é o Steve Jobs (podemos colocá-lo neste caso, como uma espécie de gerente), mas os clientes que compram e divulgam os produtos no boca a boca.

Agora, ae vem a outra parte da história, para impressionar o dono do negócio é preciso se fazer investimento tanto em dinheiro como em tempo, infelizmente nem todas empresas estão dispostas a investir mais  nestes fatores, muitas se contentam apenas em oferecer o que todo mundo oferece, não traz nenhum diferencial, nenhuma inovação, seja no atendimento, no pós venda ou no produto em si, não tentam buscar a perfeição naquilo que fazem:

“Em janeiro de 1999, na véspera da apresentação de uma nova linha de iMacs multicoloridos, Steve Jobs estava ensaiando sua apresentação do produto em um grande auditório próximo à sede da Apple.

Jobs queria que o momento em que as máquinas (5) deslizassem para fora da cortina fosse projetado em uma grande tela de vídeo que ficava por cima do palco. Os técnicos prepararam tudo,mas Jobs achava que a iluminação não estava fazendo justiça às máquinas translúcidas. Os iMacs tinham uma boa aparência no palco, mas perdiam a presença na tela de projeção. Jobs queria que as luzes fossem mais fortes e que fossem ligadas mais cedo. Ele diz ao produtor que tente outra vez. Falando em seu headset, o produtor passa as instruções à equipe dos bastidores. Os iMacs deslizam para trás da cortina e, quando é dado o sinal, deslizam novamente para fora.

Mas a iluminação ainda não está certa. Jobs vem correndo até a metade do corredor e desaba em uma cadeira, pendurando as pernas nas costas da cadeira em frente. “Vamos continuar fazendo até ficar bom, o.k.?”, determina ele.

Os iMacs deslizam de novo para trás da cortina e saem novamente, mas ainda não está certo.

“Não, não”, diz ele, balançando a cabeça. “Não está nada bom.” Eles fazem de novo. Desta vez as luzes estão suficientemente fortes, mas são ligadas muito tarde. Jobs está começando a perder a paciência. “Já estou ficando cheio desta história”, rosna ele.

A equipe repete tudo pela quarta vez e finalmente a iluminação fica ótima. As máquinas cintilam no imenso telão. Jobs fica encantado. “Ah! Agora sim! Está ótimo!”, grita ele. “Está perfeito! Uau!”

Talves, você ache loucura, uma pessoa ficar horas e horas tentando acertar a iluminação de seu produto, mas Steve Jobs (considerado por muitos como louco) teve seu esforço recompensado ao investir em tempo e paciência com o objetivo de valorizar o cliente por este pequeno detalhe, e assim deslanchar com a venda dos imacs.

E você, o que tem feito para encantar o dono de seu negócio?

Fonte da Imagem: http://www.portalinfosite.com/?p=1790

 

As caracteristicas de um ambiente de negócios virtual

Muitos empreendedores, ao acompanhar as noticias de  como a internet vem ganhando espaço no mercado, decidem inserir suas empresas nessa mídia, mas muitas desconhecem o impacto que a internet pode causa nos seus negócios, seja em aspectos positivos como negativos, assim, podemos destacar como principais os seguintes:

 Mudanças na forma de comunicação:

Acredito que a comunicação é um dos fatores que mais recebeu transformação, o papel que antes cabia apenas a sua empresa, agora engloba de forma geral toda a cadeia de pessoas, nesta cadeia,centraliza-se o cliente, que agora pode se comunicar não só  com você como também com os concorrentes, pode dar sua opinião em diversos meios (fato este que ganha mais força com a popularização das redes sociais) e pode até mesmo ser um ótimo canal de marketing.

Mudanças na forma de controle da mensagem

E da comunicação, surge outra característica, as empresas não podem controlar o que acontecem na internet, se caso a organização cometa alguma falha grave o cliente mal atendido pode divulgar a falta para diversas pessoas no twitter, fazer comentários prejudiciais a imagem da empresa em algum blog, ou até mesmo fazer vídeos relatando a situação vivenciada e posta-los no youtube, a empresa pode até se redimir com o cliente, mas ae já é tarde, pois a mensagem já foi espalhada.

Interatividade

A internet propicia algo bastante importante no meio virtual, a interatividade é um fator de sucesso quando bem aplicado, varias empresas usam esta arma como uma maneira de atrair clientes, a camiseteria por exemplo, permiti que as próprias pessoas criam as estampas das camisetas que queiram usar, já a Wikipédia permiti que seu conteúdo seja modificado a partir do conhecimento de diversas pessoas sobre um determinado assunto.

Novos concorrentes

Ao se inserir na internet, você ganha automaticamente mais concorrentes, o que antes se restringia apenas ao seu espaço físico agora abrange um emaranhado de empresas de seu respectivo setor, se caso a sua loja tiver um produto mais caro ou com características que não me agrada, posso simplesmente comprar da concorrente que está situada em outro estado.

Por isso, afirmo que, assim no ambiente físico, no ambiente virtual qualquer empresa, que queira se inserir na internet, é necessário primeiramente um plano de negócios, para se analisar todas as variáveis que envolve o complexo (mas ao mesmo tempo instigante) comércio eletrônico.